Wednesday, 2 August 2017

A antiga arte...

(ironicamente^) O *neo-absolutismo ¹ (ou até mesmo, havendo, o *neo-integralismo ²), que é algo que para além de pertencer à actualidade,  
(parece-me) se poderá definir, por um lado, por se estender de forma extraterritorial (embora não necessariamente de forma exhaustiva, a todos), e por outro,
pelo facto de não ser de natureza nacionalista ³
com o sentido que lhe será inerente de ''nação'' existente até as primeiras décadas do início do século XX, e é algo que agora, e mais que nunca, que se escancara e o faz de uma forma tão gritante - que ferirá os sentidos de qualquer um não se lhe o ver como sendo uma coisa obvia.    

Eis que ontem, através de um amigo (o Carlos)  vi uma notícia que não só me surpreendeu pela dimensão que agora vejo na natureza totalitária 
da coisa (deste dito *neo-absolutismo), própria de ditaduras que dantes ocorriam num mundo pensado e que se  pensa (ainda),  dividido como dantes -
pelo menos desde cerca de meados do século XVIII e atravessando até - vá lá, digamos que até finais da segunda grande guerra, no século xx, e que agora age assim (nestes moldes),
como pela forma que utiliza ferramentas que outrora pertenciam às ditaduras nascidas dos ditos nacionalismos de outrora (ou seja, neste caso - o controle de informação e/ou acesso à mesma).
Está aqui a ligação (LINK da notícia.  (é de ler, mesmo)








 Ironicamente (e isto dito por alguém pouco amiga de 'nacionalismos' quer pelos productos deles nascidos nas artes
(em termos de estética, pois dificilmente me atingem o suficiente para ''mexerem'' comigo - embora
haja excepções, e, porque no entanto também goste de dar valor (e o sentir - quando conseguem assim me atingir) 
ao que de cada terra seja importante para quem dela seja ou a que se sinta pertencer - porque também terá a sua beleza..,
mas isto seria um assunto longo, mesmo que fosse para um artigo inteiro, quanto mais para estar entre
parêntesis,
que para mais estando estes (parêntesis) - entre outros),                                          
quer pelas ideologias habituais neles contidos)
- dizia que, ironicamente.. 
ou não,
o dito movimento (chamemo-lo assim) *neo-absolutista, embora tenha como pano de fundo um de *internacionalismo  (coisa que como sabemos ocorre periodicamente, tal como o que lhe tem sido a reacção, ou, como um outro movimento pendular - o do nacionalismo)  é algo me parece ser como um fruto que começa a ver a luz do dia no nosso mundo do *pós-muro-de-Berlim , e que desde esse tal finalizar da Guerra Fria se tem alimentado até aos nossos dias até obter a actual dimensão que tem; como se alimentado por vários galhos de uma grande arvore - uma arvore da Humanidade  (presente)
◄ (fruto agora já bem fora do prazo do crescimento, e já tão maduro que se instala a fase de se ter ultrapassado a própria época em que o dito alimentasse fosse quem fosse que lhe moldara (o gerara, e/ou - o gerisse) e que nos últimos tempos apenas se tem desunhado para que o mesmo se perpetue como  formula, para que se alimente),
e que está a cair de maduro.
(Bom, convenhamos, nos dias que correm, quanto à palavra ''maduro'', é difícil não se cair nela e..,)




via GIPHY


(ia colocar outro ficheiro ''gif'', de tipos de movimento pendular, mas, resfriei-me nos meus gostos (LINK - de um que não colocarei) - para assim tentar manter o ''tom'' desta publicação neste blogue)





 ___________________
Ou seja, já estará patente a fase de apodrecimento e decrepitude do dito -  e por isso já se podendo combater por tão visível estar, como outrora o era o grande mal que nascera / amadurecera e / apodrecera até cair - dos *nacionalismos  que houve  e que estavam na mó de cima em outros tempos mas que caíram  (alguns desses) - aquando se iniciara a já mencionada Guerra Fria, outros durante a mesma

Ele é (este *neo-absolutismo) algo que nos traz a reacção que se tem traduzido em tanto local, em certo aspecto, em movimentos de  *neo-nacionalismos (claro), e que, como de resto o sempre tem sido - é um tipo de caminho que para alguns lhes será mais natural como resposta aquando  momentos da decrepitude das épocas onde o auge de algo mais «internacioalista», como molde, ocorra (como se vê ao longo da História das várias artes - e que se espelha quando ocorre tal como os períodos de nacionalismo, assim como o desgaste de ambos nos períodos de transição). 

Ele é algo que está agora a dar espaço, através de certo tipo de podridão (e de desgaste) para combate por agora ser tão visível as suas frentes de imposição de poder. 





Tem havido, pelos vistos, estas tais forças de ''molde'' social que se intercalam embora se sobreponham um pouco, um ao outro: um sendo o movimento que fecha (levanta fronteiras), de nacionalismos de ordem vária e de vários tipos, e o outro que abre (com os que serão o contrario disso, portanto - o já mencionado «internacionalismo» onde as fronteiras se abatem e/ou se desejam abater, ou melhor, pouco elas nos dirão - nessas alturas).
Ciclicamente, um ou outro salta com maior força que o outro para a ribalta - ambos sempre presentes como dinâmica social, atingindo os seus auges e passando por períodos de desgaste de forma intercalada, ao longo dos tempos (não sei se apenas como reacções um ao outro), e que se têm reflectido como - e com registos, nem que seja (e por exemplo) nas várias Artes;  
como se as nossas sociedades fossem ioiôs, ou ondulação do vértice do Tempo como linha cartesiana (linha não, visualizo antes a coisa como um plano - um mar da espécie com vagas e ondulações),
ou pêndulos -  da Humanidade.



Como se combate agora as nocivas ferramentas que dantes eram arma do nacionalismo de estado e que agora o são (de forma igualmente feroz e eficaz) do internacionalismo *extra-estatal, que se veste e é - um novo absolutismo (o absolutismo que dantes pertencia ao que se sabe, e aos que se sabe, em cada era da nossa Historia)? 

Do nacionalismo, pode se esperar que não seja (mais cedo ou mais tarde) absolutista?

E agora, este novo  tipo de «internacionalismo» que tem e exerce poder (de verdade), alguma vez se irá despir do absolutismo que nele agora mora?


(hmmmmmmmm...)



























________________________________

Text key: #1 - 6
 ¹ - LINK
 ² - LINK
  (ou - para a sua possivel vertente, agora, de *neo -) LINK
 ³ - LINK
(sim, esta ligação ''3'' é da wikipedia, E daí? serve, não?)
  - LINK
(e pode-se ver facilmente nas artes, como por exemplo em épocas diversas ao longo da História da música, ou das outras - tanto  o *internacionalismo, como o nacionalismo (que coexistiam embora um ou outro ficasse mais notório, conforme a era)
  - LINK
 ⁶ - LINK
LINK
 (LINK / and also others of today - LINK)


No comments:

Post a Comment